Os mosquitos podem parecer insetos alados inofensivos. Afinal, muitas vezes você nem percebe a picada deles. Porém, eles são os maiores transmissores de doenças do mundo. De pouso em pouso eles fazem vítimas, até em uma mesma família.

São duas as principais espécies:

1. Mosquito Aedes aegypti

Muito parecido com um pernilongo comum. O Aedes é mais escuro e possui listras brancas pelo corpo e pelas patas.

Tem o costume de atacar as pessoas durante o dia. Vive e se reproduz em ambientes com água limpa, próximos a habitação humana. Coloca seus ovos na parede de recipientes com água, como: vasos, tambores, pneus.

2. Mosquito Pernilongo

Insetos voadores que frequentam as casas em busca de sangue fresco e que podem ser encontrados dos trópicos às regiões árticas, são os mosquitos (também chamados no Brasil, conforme a região, de pernilongos, muriçocas, carapanãs, etc.).

Alguns deles são responsáveis pela transmissão de sérias zoonoses como a malária, a febre amarela, dengue, a filariose, certas encefalites, a leishmaniose, etc. Além disso, são extremamente incômodos e não raro, certas áreas de lazer ou de excelente potencial imobiliário tornam-se inviáveis em função das granules populações de mosquitos que as infestam.

Doenças causadas por mosquitos

São o único meio conhecido de transmissão de agentes que causam a malária, febre amarela, certos tipos de encefalite, dengue, leishmaniose e filariose.

As larvas e as pupas dos mosquitos vivem na água. As diversas espécies adaptaram-se para viver, praticamente, em todo tipo de água, exceto em correntes de fluxo rápido e em proporções abertas de grandes corpos de água onde existe a ação de ondas.

No Brasil o maior problema causado pelos mosquitos é a dengue, que com frequência se transformam em epidemia em determinadas regiões.

Medidas preventivas

Garrafas PET e de vidro: As garrafas devem ser embaladas e descartadas corretamente na lixeira, em local coberto ou de boca para baixo.

Lajes: Não deixe água acumular nas lajes. Mantenha-as sempre secas.

Ralos: Tampe os ralos com telas ou mantenha-os vedados, principalmente os que estão fora de uso.

Vasos sanitários: Deixe a tampa sempre fechada ou vede com plástico.

Piscinas: Mantenha a piscina sempre limpa. Use cloro para tratar a água e o filtro periodicamente.

Coletor de água da geladeira e ar-condicionado: Atrás da geladeira existe um coletor de água. Lave-o uma vez por semana, assim como as bandejas do ar-condicionado.

Calhas: Limpe e nivele. Mantenha-as sempre sem folhas e materiais que possam impedir a passagem da água.

Cacos de vidros nos muros: Vede com cimento ou quebre todos os cacos que possam acumular água.

Baldes e vasos de plantas vazios: Guarde-os em local coberto, com a boca para baixo.

Plantas que acumulam água: Evite ter bromélias e outras plantas que acumulam água, ou retire semanalmente a água das folhas.

Suporte de garrafão de água mineral: Lave-o sempre quando fizer a troca. Mantenha vedado quando não estiver em uso.

Falhas nos rebocos: Conserte e nivele toda imperfeição em pisos e locais que possam acumular água.

Caixas de água, cisternas e poços: Mantenha-os fechados e vedados. Tampe com tela aqueles que não têm tampa própria.

Tonéis e depósitos de água: Mantenha-os vedados. Os que não têm tampa devem ser escovados e cobertos com tela.

Objetos que acumulam água: Coloque num saco plástico, feche bem e jogue corretamente no lixo.

Vasilhas para animais: Os potes com água para animais devem ser muito bem lavados com água corrente e sabão no mínimo duas vezes por semana.

Pratinhos de vasos de plantas: Mantenha-os limpos e coloque areia até a borda.

Objetos d’água decorativos: Mantenha-os sempre limpos com água tratada com cloro ou encha-os com areia. Crie peixes, pois eles se alimentam das larvas do mosquito.

Lixo, entulho e pneus velhos: Entulho e lixo devem ser descartados corretamente. Guarde os pneus em local coberto ou faça furos para não acumular água.

Lixeira dentro e fora de casa: Mantenha a lixeira tampada e protegida da chuva. Feche bem o saco plástico.